terça-feira, 9 de junho de 2009

Entrevista com o jornalista Fernando Rosa


Crédito da Foto: Ritinha

Aproveitando a passagem do jornalista Fernando Rosa (editor do site www.senhorf.com.br, um dos responsáveis pelo selo Senhor F Discos e idealizador da Noite Senhor F) em Belém, durante a primeira edição da Noite Senhor F na cidade, foi realizada uma entrevista para o blog Rock Pará. Foram conversados assuntos interessantes, como Leis de Incentivo e novos projetos.

Qual análise você poderia fazer sobre a atual situação da música independente nacional?

A cena independente vive um momento importante de afirmação e ampliação do espaço construído desde o início da década, especialmente. Diante da crise mundial do formato de produção musical, o Brasil conseguiu reagir positivamente. É um dos poucos países do mundo com uma rede de festival organizada nacionalmente, coordenada pela Associação Brasileira de Festivais Independentes (Abrafin). Muitas bandas cresceram e conquistaram público nesta plataforma que tende a estender-se aos países da América do Sul. Até mesmo setores da mídia tradicional reconhecem o papel e a importância da cena independente e dos festivais.

Qual contribuição as Leis de Incentivo refletem, hoje em dia, na produção dos festivais pelo País? E como isso poderia ser mais facilitado?

Penso que para muitas regiões é fundamental para viabilizar os projetos, mesmo discos, e festivais. Onde não tem, é importante que os produtores, especialmente, se mobilizar para criá-las. No momento, o Ministério da Cultura, está promovendo a mudança na atual Lei Rouanet, para democratizar e descentralizar o acesso. O Estado tem de ampliar a sua presença na economia da cultura nacional, e devemos cobrar isso.

Como você poderia avaliar a música independente no Pará? E os principais destaques?

Sempre digo que a cena musical do Pará é uma das mais ricas do país, em termos de diversidade e de qualidade autoral. As bandas de rock daqui, por exemplo, são menos pautadas pelas influências externas, como em outras regiões. A cidade tem compositores com um potencial pop bastante refinado, que produzem canções com qualidade e apelo radiofônico. Em termos de nomes, tem muitas bandas que se destacam mais no cenário nacional, como La Pupuña, Madame Saatan, Coletivo Rádio Cipó, A Euterpia, StereoScope, que é do nosso selo. E outras importantes como Ataque Fantasma, Johny Rockstar, Vinil Laranja, Turbo, Aeroplano, Amplificador de Brinquedo, Suzana Flag, só para citar algumas.

Quais serão os próximos lançamentos do selo Senhor F?

O terceiro, e segundo por Senhor F, disco do StereoScope, daqui, que sai em breve. Também o terceiro disco, ainda sem nome, do Superguidis, do Rio Grande do Sul. O segundo disco do Sapatos Bicolores, de Brasília, que agora sai pelo selo. E para o início do semestre que vem, lançaremos o disco de estréia do grupo Watson, também de Brasília. Eles gravam o disco em julho, nos Estúdios Dreher, em Porto Alegre, com produção de Thomas Dreher.

3 comentários:

Perzee Loonio disse...

Nunca vi demonstração servil mais dedicada como a deste blog para o canalha do meio independente, a versão nova do tubarão da mídia, do jabá e da indústria fonográfica travestido de mecenas.

Parabéns, lambe botas, nem em Brasília tem puxassaco do teu nível...

Sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
conta disse...

Perzee Loonio? Poderias desenvolver mais a tua opinião?
Desse jeito parece apenas que tu tava com dor de dente e resolveu escrever qualquer porra aqui. Por favor.

Ricardo Maradei